Escritos de Ada

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

A criança azul

Cuidem bem dessa criança
porque ela é especial
– diz o velho tio
que enxerga o aqui e o além.

Essa criança é iluminada
– repete a prima descabelada
enquanto se esvai o gás da coca-cola.

Alheia a tudo
a criança brinca
no seu mundo de papéis e letras
não entende as orações dos adultos
pedindo que seu dom se preserve.

Cai a noite
e eles rezam ainda
enquanto deitam na rede a criança
que dorme imersa em luz:

não é de anjo
não é de deus
é só dela

a aura azul que a embala.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Aqueles homens

Aqueles homens já me visitaram à meia-luz.

Um deles calçava sandálias de metal
que me calejaram o coração.

Outro me deu flores
mas quis fazer brotar frutos
onde nenhum olho d’água se via.

O que veio depois desconhecia sutilezas
ainda sinto suas mãos em meu pescoço
por causa delas parei de dormir em minha cama.

Aquele outro veio tingido em cinza
e deixou rastros por todos os cantos
um pacote de biscoitos sobre a mesa
cascos de cerveja na pia
mais papéis na estante
fios negros e grossos no chão e nos travesseiros
espinhos que não me deixavam dormir.

Um deles 
– o das flores –
tinha mais coração do que eu.

Já os outros eram por demais pesados
mais penedos do que homens
mais rochedos do que gente.