Escritos de Ada

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Ponto final

Ele
pleno em seu silêncio e sua força
os quadris dela alçados por seus braços
nem valsa
nem foxtrot
uma dança só deles
batucada ao modo de "jam"
sem marcação
sem regência
sem ensaio
vontade apenas

aquela vontade

maior do que a vontade
só o esforço
que não houve na dança
mas que agora esmaga a meia-luz do quarto 

o esforço do instante em que ela olha o rosto dele
e ele não sabe que ela o vê

o esforço não é o de encontrar beleza no semblante plácido
– a beleza já estava lá
contudo
pela primeira vez ela o vê plácido como uma criança que dorme
uma criança que sonha
com brinquedos
com o bichinho de estimação
com o colo morno da avó
não aquela placidez de quem diz não se desequilibrar.

Aquele esforço dela é o de quem se conforma
simplesmente porque precisa

precisa se conformar com a suspeita de ser a última vez
precisa se conformar com o fato de não ser desta vez
precisa se conformar com a ideia de ser apenas a da vez.

Sobretudo
precisa aceitar que
ele
deve ser apenas o da vez.

Ele
que já se foi antes mesmo de cruzar a porta mais pesada
– porém aberta, escancarada

ele
que poderia ter sido o recomeço
é apenas

ponto final.

Nenhum comentário:

Postar um comentário